domingo, 29 de agosto de 2010

Rock Progressivo - Premiata Forneria Marconi

Premiata Forneria Marconi (PFM) (tradução: vencedora Padaria Marconi) é uma banda de rock progressivo italiana. Foi o primeiro grupo italiano a fazer sucesso no exterior, entrando nas paradas americanas. Entre 1973 e 1977, eles lançaram cinco álbuns com letras em inglês. Também fizeram sucesso em turnês na Europa e Estados Unidos, tocando no Reading Festival, na Inglaterra e em programas populares de televisão.
O PFM introduziu novos sons, como o sintetizador, ao mundo musical italiano. Eles também foram os primeiros a combinar a música sinfônica clássica italiana com música tradicional em um rock multicontexto. Essas inovações, e sua longevidade coloca-os entre as bandas mais importantes do rock progressivo internacional.
Os membros do núcleo original do PFM (Mussida, Di Cioccio, Premoli e Piazza) reuniram-se nos meados dos anos 1960, quando tocavam juntos como músicos de estúdio para cantores pop italiano, rock e cantores populares, como Lucio Battisti, Mina, Adriano Celentano e Fabrizio De André. Eles apareceram em muitas gravações para outros artistas durante este período e rapidamente se estabeleceram como os melhores músicos na cena de rock e pop italiana.  Mussida, Premoli, Piazza Di Cioccio e, em seguida, formou o grupo "I quelli "(tradução inglês" Them”, ou" Those Guys ") em 1968. O I quelli lançou um álbum e alguns singles de sucesso na Itália.
O PFM foi oficialmente formado em Milão em 1970, quando os membros do I quelli conheceram Mauro Pagani, do grupo Dalton. Pagani ajudou o grupo a expandir seu som, incluindo o som de violino e flauta. Nesta época eles já eram músicos altamente experientes e facilmente capazes de reproduzir o tipo de rock progressivo complexo e pesado desempenhado pelos principais grupos ingleses e americanos. Suas primeiras performances ao vivo incluíam covers de grupos como King Crimson e Jethro Tull. Outras influências iniciais incluíam Chicago, Ekseption, e The Flock.
Eles tinham um nome comprido, como era tendência das bandas progressivas italianas na época, e por isso eram geralmente chamados como "La Premiata". Depois de rejeitar “Isotta Fraschini” (um fabricante de automóveis italiano) o grupo finalmente aceitou a sugestão de Pagani, "Forneria Marconi (que significa" Padaria Marconi”), emprestada de uma placa de uma loja na pequena cidade de Chiari, perto de Brescia. No entanto o produtor de discos e amigo Alessandro Colombini, sugeriu que o nome não era forte o suficiente, por isso o título "Premiata" (Premiada) foi adicionado. Alguns se opuseram, por ser um nome muito grande, mas a filosofia do grupo, afirmou que quanto mais difícil lembrar o nome de uma banda, mais difícil seria esquecê-lo.
Em junho de 1971, o PFM foi convidado para o 1º "Festival d'Avanguardia e Nuove Tendenze” em Viareggio, onde ganhou, juntamente com Osanna e Mia Martini. Mais tarde, em 1971, o grupo assinou com a Numero Uno, divisão da RCA Records na Itália, e lançou seu primeiro single,” Impressioni di settembre "/" La Carrozza di Hans”. Foi um sucesso e recebeu amplo reconhecimento como a primeira gravação italiana a utilizar recursos de som eletrônico de sintetizador. Ambas as canções ainda são regularmente tocadas pelo grupo. Flavio Premoli também fez um demonstração especial dos recursos do Minimoog durante uma performance do PFM na televisão, transmitido pela RAI.
Em 1972, PFM lançou seu primeiro álbum, “Storia di un minuto”. O álbum liderou as paradas italianas em sua primeira semana e foi o primeiro álbum de um grupo de rock italiano a conseguir esse sucesso. Continha versões regravadas de músicas do primeiro single, como "È Festa "e "Dove ... Quando ..." que continuam a ser partes essenciais de seus concertos ao vivo.
Mais tarde, em 1972 foi o lançado o segundo LP, “Per un amico”. Este álbum abriu o caminho para maior reconhecimento público por toda a Europa. Caracterizou-se por uma produção mais sofisticada de 16 pistas e permitiu ao grupo refinar o som do rock progressivo italiano. O PFM chamou a atenção de Greg Lake, do Emerson, Lake & Palmer, enquanto estavam em uma turnê italiana e assinou com a Manticore Records. O primeiro álbum na Manticore, “Photos of Ghosts”, foi lançado em toda a Europa, Japão e América do Norte e foi primeira vez que uma banda italiana de rock fez sucesso nos mercados estrangeiros.
 Foi também um das primeiras gravações de grupo de rock europeu a fazer sucesso nos EUA, atingindo o # 180 na Billboard 200, em novembro de 1973. O álbum continha principalmente regravações de músicas de “Per um amico” em inglês. Novas letras (e não as traduções) foram escritas pelo ex-membro do King Crimson, Peter Sinfield, que ajudou a produzir a nova gravação e mixagem no Advision Studios, em Londres. Incluía "Celebration" (um remake de "E Festa"), que tocou consideravelmente em estações de rádio dos EUA e Canadá.
Após a divulgação de Photos of Ghosts, o baixista Giorgio Piazza deixou o grupo, sendo substituído por Patrick Djivas, que permaneceu com o grupo desde então. O próximo lançamento do PFM na Itália foi o álbum “L'isola di niente” em 1974. Os destaques do álbum incluíam "Dolcissima Maria" (inglês: "Just Look Away”) e a instrumental "Via Lumiere" (inglês: "Have Your Cake and Beat It"). De novo uma versão em inglês do álbum foi lançada pela Manticore como “The World Became the World”. O álbum em inglês incluiu outra regravação de "Impressioni di settembre" como a faixa-título. Esta foi a última colaboração com Peter Sinfield, já que o grupo não estava totalmente satisfeito com o conteúdo de suas letras em inglês. O álbum em inglês também alcançou as paradas dos EUA, mas não com tanto sucesso como o anterior.
 Após o lançamento do The World Became the World, o grupo gravou concertos em Cleveland, Ohio e Toronto, Canadá, em sua turnê norte-americana em 1974. Estas gravações foram utilizadas para seu próximo álbum europeu intitulado “Live in USA”. O mesmo álbum foi lançado nos EUA e Canadá, com nova capa pela Manticore e re-intitulado “Cook”. O PFM atingiu o seu maior público americano quando eles apareceram no programa NBC's Midnight Special em 21 de fevereiro de 1975. Seu desempenho transmitido para todo o país incluiu "Celebration" e a instrumental "Alta Loma Five Till Nine”.
 A falta de um forte vocalista sempre foi considerada a maior responsabilidade da PFM, e por esta razão, eles chamaram Bernado Lanzetti, que foi do grupo Acqua Fragile. Quando era universitário, Lanzetti havia morado no Texas por alguns anos. Mas o mais importante é que ele tinha uma voz poderosa e distinta e falava inglês fluente.
O primeiro lançamento da banda com seis músicos foi “Chocolate Kings”, em 1975. Apresentando um rock mais pesado, teve sucesso modesto em casa e foi o album menos popular na Itália até ali. O mesmo álbum foi lançado com uma capa diferente pela Manticore na Inglaterra e pela Asylum Records nos EUA, tendo alcançado o Top 20 UK, mas foi menos bem sucedido internacionalmente. Mauro Pagani saiu do grupo após “Chocolate Kings” para seguir carreira solo. Lanzetti também apareceu em “Jet Lag” (1977), um álbum altamente influenciado pelo movimento jazz-fusion, gravado em Los Angeles. Este foi o último álbum com letras em inglês e sua última tentativa de atingir o público de rock progressivo internacional. Foi também seu último álbum lançado em nos EUA, pela Asylum. O Violinista Gregory Bloch, anteriormente com o grupo It's a Beautiful Day, substituiu Mauro Pagani, mas durou apenas um álbum.
“Passpartù” (1978) acrescentou dois novos percussionistas e a direção mudou novamente, inclusive com músicas curtas em italiano e sendo caracterizado por um estilo pop. O novo som deste álbum contém principalmente acústica em vez da guitarra elétrica e parecia música folk italiana e latina, influenciando grupos como Steely Dan. Este foi o último álbum a apresentar Lanzetti, que saiu em carreira solo. Em 1979, o PFM, mais uma vez tocou como grupo de backup para Fabrizio De André. O grupo contribuiu com novos arranjos para canções de  De André e viajaram pela Itália com salas de concerto lotadas. De André e o PFM lançaram dois álbuns de grande sucesso durante este período, intitulados “In Concerto – Arrangiamenti PFM” (1979) e, “In Concerto – Arrangiamenti PFM, Volume 2” (1980).
Durante a década de 1980 gozava de contínuo sucesso concentrando-se em rock comercial para o público italiano. Em 1980, Flavio Premoli deixou o grupo e construiu uma carreira de sucesso compondo e tocando música para filmes italianos e televisão. O multiinstrumentista Lucio Fabbri juntou habilidades acrescentando violino, teclados e guitarra ritmo. Álbuns durante este período foram “Suonare Suonare” (1980), “Performance” (1980), “Come ti va in riva alla città” (1981) e “PFM? PFM!” (1984). A faixa-título de seu álbum de 1987 foi Miss Baker escrita em homenagem à bailarina americana Josephine Baker. Embora o PFM tenha parado de tocar em 1987, eles nunca se separaram oficialmente.
Em 1997, Flavio Premoli reuniu-se com outros três membros do núcleo (DiCioccio, Djivas, Mussida) e lançou o álbum de retorno “Ulisse”. Embora não seja tão progressivo como alguns dos seus trabalhos da década de 1970, foi amplamente considerado pelos fãs. O sucesso de “Ulisse” ajudou a trazer de volta para a PFM atenção do rock progressivo internacional. “Ulisse” (italiano para Odysseus) é um disco baseado na Odisséia, de Homero, com a contribuição do compositor italiano Vincenzo Incenzo. Um álbum ao vivo com 2 discos “www.pfmpfm.it” foi gravado com dois músicos adicionais para sua turnê italiana no próximo ano.
"Serendipity" (2001) é uma coleção de estúdio de novas canções em italiano, mas desta vez não houve conceito ligando as canções. “Live In Japan 2002”, foi lançado em edições de 2 CDs e DVD. O CD contém duas novas faixas de estúdio, incluindo um colaboração com Peter Hammill do Van der Graaf Generator. Hammill escreveu a letra e canta na primeira gravação do grupo em inglês desde 1977, intitulada “Sea of Memory”.
“Piazza del Campo” (2005) foi lançado tanto em CD simples e CD+DVD. Ele captura a performance do PFM com o retorno de Mauro Pagani, filmado ao ar livre na principal praça de Siena. Astro do rock italiano, Piero Pelù também aparece no DVD.
Devido a problemas de saúde, o tecladista Flavio Premoli deixou o grupo pela segunda vez, no início de 2005. O PFM em seguida, retornou ao EUA, desde 1977, para tocar no Progressive Arts Showcase em Bethlehem, Pennsylvania em 08 de julho de 2005. Este concerto foi realizado em conjunto com o evento 7º NEARfest Progressive Rock. Outros shows nesta turnê incluiu datas no Canadá, Brasil, México, Panamá e Venezuela. O último trabalho de Premoli com o grupo, “Dracula”, foi lançado no final do ano. É uma ópera rock baseada na lenda original de Drácula. “Stati di Immaginazione” (2006) é inteiramente instrumental e acompanha um DVD de imagens de vídeo feitas para cada canção. Como é típico para o PFM, a música alterna serenas e calmas seções de violão com pancadas de rock. O conteúdo de vídeo varia de vinhetas estilo fantasia feita com computação gráfica a arquivos em preto e branco de filmes históricos. 


Discografia
Álbuns de estúdio
§  Storia di un minuto (1972)
§  Per un amico (1972)
§  L'isola di niente (1974)
§  Chocolate Kings (1975)
§  Jet lag (1977)
§  Passpartù (1978)
§  Suonare Suonare (1980)
§  P.F.M.? P.F.M.! (1984)
§  Miss Baker (1987)
§  Ulisse (1997)
§  Serendipity (2000)
§  Dracula (2005)
§  Photos of Ghosts (1973 – versão de Per un amico)

Álbuns ao vivo
§  Live in USA (1974, também conhecido como Cook)
§  Performance (1981)
§  www.pfmpfm.it (1998)
§  Live in Japan 2002 (2002)
§  Piazza del Campo (2005)

Coletâneas
§  PFM The Award-Winning Marconi Bakery (1976, Peters International, USA) – capa do LP com um prato de spaghetti)
§  Prime impressioni (1976) – compilação de Storia di un minuto e Per un amico
§  35... e un minuto (2007)