quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Rock - Cheap Trick

O Cheap Trick surgiu em Illinois em 1973. A idéia de montar a banda veio do um guitarrista Rick Nielsen. Desde pequeno Rick sempre foi o esquisito da turma, suas roupas eram no mínimo exóticas, tinha a mania de inventar coisas, colecionava guitarras, e algumas pareciam vindas de outro planeta. Ele era fã de bandas igualmente esquisitas como o Family. Antes do Cheap Trick, ele teve várias bandas para onde levava sempre consigo, seu amigo, o baterista Bun. E Carlos. Quando a idéia do Cheap Trick surgiu, ele convidou o talentoso baixista Tom Petterson para tocar. Mais tarde viria Robin Zander, que seria o frontman da banda. A banda começou a tocar pelos clubes da cidade, com públicos que variavam muito. Não se importavam, e tocavam para dez pessoas da mesma maneira que tocariam para mil.
Em 74, eles começaram a fazer shows com bandas que estavam em ascensão como KISS  e Journey. Após muita insistência de Rick, o conceituado produtor Jack Douglas deu a oportunidade a banda para gravar seu primeiro álbum.
Em 1977, debutava na América o rock n’roll alegre e inocente do Cheap Trick. Músicas como “Hot Love” e “Oh, Candy” conquistaram os jovens americanos. Robin Zander disputava a coroa de Sex Symbol do rock n‘roll setentista. Para não perder o momento, no mesmo ano o Cheap Trick soltou “In Color”, que foi gravado no estúdio de Tom Werman.
“Heaven Tonight” saiu em 78, e a banda já tinha status. Seus álbuns já eram sucesso em todo o mundo (menos no Brasil, onde a banda foi muito mal divulgada). O Hit “Surrender” ecoava nas rádios e a banda acabou parando no Japão, de onde saiu o registro “Live At Budokan”. O multi-platinado álbum é sucesso até hoje na terra do sol nascente.
Em 79, eles soltam “Dream Police” que trazia a canção “Way of the World”.
O Cheap Trick era endeusado na América, mas a entrada dos anos 80 não trouxe sorte à banda. “All Shook up” foi produzido por George Martin, e apesar de ser um bom álbum, não satisfez as expectativas. O Baixista Jim Petterson se sentindo frustrado, resolve abandonar a banda, Jon Brant fica com a vaga.
Os anos 80 foram tão negros para a banda, que o Cheap Trick se rendeu ao comercialismo e se tornou uma banda pop. Começaram a fazer trilhas sonoras para filmes que não emplacaram e lançar álbuns que não empolgaram. “One on One”, “Next position Please”, “Standing on the Edge” (Com o produtor Jack Douglas outra vez) e “Doctor”, foram os fracassos que se seguiram na década de 80. A cada álbum ficava notória a queda em direção ao buraco negro que o Cheap Trick trilhava.
Em 1988, a banda anuncia o retorno de Tom Petterson, que era anunciado como o salvador da pátria. Com muito estardalhaço, eles gravam o álbum “Lap of Luxury”, que tinha confecção em 3D, com a produção de Ritchie Zito. O resultado é positivo, a balada “The Flame” entra nas paradas e devolve um pouco de dignidade à banda.
“Busted” é editado em 1990 e a banda cai novamente. Voltam a fazer shows em pequenos clubes. Parecia que pior do que estava a situação não poderia ficar, mas ficou... Após um período de três anos sem lançar nada, onde apenas um “Greatest Hits” foi editado, sai “Woke Up With a Monster” (1994). Neste disco o Cheap Trick chega ao fundo do poço. O álbum é execrado e ridicularizado pela mídia que considerava a banda um Dinossauro que se recusava a ser extinto.
A banda se preparava para mais uma investida de estúdio, quando lhe foi oferecida a ajuda de Billy Corgan (Smashing Pumpkins), outro músico de Illinois. Nesta época, a gravadora relançava alguns de seus discos, tentando reativar a memória do público que parecia cada vez mais indiferente à banda.
Apesar de nunca ter tido uma grande repercussão no Brasil, o Cheap Trick tem canções que emplacaram por aqui como “If you want my love (You got it)”, “I want you want to me” e “In The Streets” que faz a abertura do seriado The 70´s Show.
Cheap Trick é conhecido por seu uso - e grande coleção - incomum de guitarras e baixos. Robin Zander tem tocado uma Rickenbacker 1950 Combo 450 Mapleglo desde a década de 1970, bem como uma Hamer de 12 cordas, uma Gibson Firebird, e várias Fender Telecaster. Rick Nielsen é um ávido colecionador que, apesar de racionalizar a sua coleção de guitarras, ainda tem mais de 250 peças em seu poder. Ele tem colaborado com a Hamer, marca de guitarras temáticas, algumas baseadas em álbuns do Cheap Trick como “Rockford,” The Doctor “, e ainda canções como "Gonna Raise Hell ". Hamer também fez a única guitarra de cinco braços e mandocellos elétrica para Nielsen. Tom Petersson geralmente é creditado por ter tido a idéia inicial para um baixo de 12 cordas. Anteriormente, ele havia usado um Gibson Thunderbird  e um Hagstrom de 8 cordas, e pediu a Jol Dantzig da Hamer Guitars para fazer um de 12 cordas. A empresa inicialmente fez um de 10 cordas. Após a utilização bem sucedida, o protótipo  de 12 cordas, Hamer A 'Quad', foi produzido. Petersson usou mais tarde um de 12 feito por um luthier japonês, Chandler, e modelos de assinatura da Waterstone, bem como um conjunto impressionante de baixos de 4, 5 e 8 cordas de outros fabricantes.  

Citando as bandas que tem o Cheap Trick como uma influência, incluem: The Baudelaires, Pearl Jam, Local H, The Datsuns, Enuff Z'nuff, Everclear, Extreme, Fountains of Wayne, Guns N 'Roses, Mötley Crüe, Nirvana, Stone Temple Pilots, Green Day, OK Go , Smashing Pumpkins, The Pink Spiders, Terrorvision, Weezer, e muitos outros.
Discografia:
Cheap Trick (1977)
In Color (1977) 
Heaven Tonight (1978)
Dream Police (1979) 
All Shook Up (1980)
Found All The Parts EP (1980) 
One on One (1982)
Next Position Please (1983) 
Standing on the Edge (1985)
The Doctor (1986) 
Lap of Luxury (1988)
Busted (1990)
The Greatest Hits (1991)
Woke Up With A Monster (1994) 
Cheap Trick (1997) 
Special One (2003) 
Rockford (2006) 
The Latest (2009)