segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Rock progressivo - Focus

A Holanda é um país onde os músicos se identificaram muito cedo com o rock. Desde os anos sessenta, surgiram bons grupos naquela parte da Europa continental (Golden Earring, por exemplo). Entretanto, o que mais se destacou, e por sinal no cenário progressivo, foi o FOCUS.
Iniciado no final dos anos sessenta, o conjunto contava, nos primeiros dias, com Thijs Van Leer (flauta e teclados), Martin Dresden (baixo) e Hans Cleuver (bateria). Um dos modelos sonhados por aqueles principiantes era o Traffic, de Steve Winwood. Mas a sorte conduziu as coisas para outro lado, e eles terminaram por integrar o elenco da versão holandesa da peça "HAIR".
Foi pouco depois que vieram a produzir o primeiro LP, contando com a adesão do guitarrista Jan Akkerman. Como o disco não obteve o sucesso esperado, Akkerman resolveu procurar seu amigo Pierre Van der Linden, com quem havia tocado nos grupos "THE HUNTER" e "BRAINBOX", conhecidos apenas localmente. Aos dois, juntou-se outro antigo colega, o baixista Cyril Havermans.

Quando Van Leer percebeu que o trio estava montando algo para valer, pediu para juntar-se a eles. Com isso, a banda acabou adotando o nome de FOCUS, novamente. Foi esse quarteto que registrou o LP MOVING WAVES, em 1970. Ali, grandes mudanças podem ser observadas; a principal delas foi o fato de Thijs Van Leer aparecer cantando em estilo tradicional holandês, chamado "YODEL" (ouça a música "HOCUS POCUS" neste LP e "HAMBURGER CONCERTO").

No final de 1970, ainda na Holanda, conheceram o produtor Mike Vernon, que futuramente os levaria para apresentações na Inglaterra. Foi graças a Vernon, pelo menos em parte, que o FOCUS se tornou conhecido pelo mundo a fora. Em 1972, gravaram o álbum duplo "FOCUS 3", contendo a canção "SYLVIA", que se tornou uma das pedras milenares da banda. Nesse álbum, Havermans foi substituído por Bert Ruiter. Em 05 de maio de 1973, o FOCUS se apresentou majestosamente no Rainbow Theatre de Londres, e aproveitou para gravar o material que viria no disco "LIVE AT RAINBOW".

Pouco tempo mais tarde, Pierre deixou o FOCUS por causa de intrigas com Bert (falava-se que Pierre não gostou do rumo menos erudito que Ruiter estava tentando imprimir à banda, tornando-a mais adequada para o mercado norte-americano, onde iniciavam a angariar um sucesso estrondoso). Seu substituto foi Collin Allen, músico inglês que já havia tocado com músicos famosos (entre eles, John Mayall).
Com Collin,o FOCUS gravou o memorável "HAMBURGER CONCERTO", uma retomada das suítes eruditas, e depois, em 1975, "MOTHER FOCUS", onde o baterista abandonou a banda no meio das gravações. Em seu lugar entrou David Kemper, músico norte-americano (houve quem dissesse que Pierre Van Der Linden retornou por um curto período)

Logo depois de "MOTHER FOCUS", Akkerman deixou o grupo, que entrou em recesso até aproximadamente 1977. Durante esse período, o produtor Mike Vernon elaborou uma coletânea com faixas inéditas, lançada com o nome de "SHIP OF MEMORIES".

Em 1977, o FOCUS retornou, com P.J.Proby, um veterano, nos vocais. Os demais músicos: Thijs Van Leer, Bert Ruiter, Eef Albers (guitarra), Phillip Catherine (guitarrista muito popular no circuito de jazz) e Steve Smith (bateria).

Os anos 80
Mais uma vez o FOCUS saiu de cena, desta vez por longos anos, para voltar em 1985, baseado na dupla Jan Akkerman e Thijs Van Leer, com os seguintes músicos convidados: Tato Gomez (baixo), Ruud Jacobs (baixo), Ustad Zamir Ahmad Khan (tabla) e Sergio Castillo (programador de bateria). Quanto ao som, não mudou muito desde os velhos tempos, com suas longas suítes instrumentais, apoiadas sobre aqueles tapetes de teclados polifônicos, pilotados por Thijs Van Leer. Os solos estão divididos entre a guitarra de Akkerman e a sensível flauta de Van Leer. Mas este LP conta com uma sensível diferença: baterias eletrônicas! Um video-clipe da música "Russian-Roulette" foi produzido pela TV Holandesa.

Os anos 90
Em 1990 os fãs Holandeses puderam apreciar o FOCUS em programas de televisão, com a sua formação clássica: Bert Ruiter, Pierre van der Linden, Jan e Thijs. Os programas foram "Veronika" e "Goud van Oud" (algo como "sucessos de ouro do passado"). Eles tocaram clássicos da banda (Tommy, Focus 2, Focus 3, Sylvia, House of the king...), nenhuma composição nova. Vale a pena mencionar que Thijs e Jan também dividiram o palco do "North Sea Jazz Festival" em 1993, um festival tradicional e com atrações internacionais, realizado no norte da Holanda. Esta foi a última apresentação dos dois juntos.