quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Rock progressivo

Inicio hoje uma série de postagens com a finalidade de divulgar e esclarecer o rock chamado de progressivo. É um estilo de rock que surgiu no fim da década de 60, na Inglaterra. Conseguiu se tornar muito popular na década de 1970, e ainda hoje possui muitos adeptos, além de influenciar várias bandas atuais. O estilo recebeu influências da música clássica e do jazz fusion, em contraste com o rock norte americano, influenciado pelo rhythm and blues e pela música country.

Para melhor entender o estilo, seguem os elementos essenciais:

- Composições longas, por vezes atingindo os 20 minutos (ou até mesmo durando o tempo de um álbum inteiro, como é o caso de "Thick As A Brick", da banda Jethro Tull), com melodias e harmonias complexas. Estas são muitas vezes chamadas de épicos e são a melhor aproximação do gênero à música clássica. Um bom exemplo dos primeiros foi a peça de 23 minutos "Echoes" (álbum Meddley) do Pink Floyd, ou "Atom Heart Mother". Outros exemplos famosos são: "Close to the Edge" do Yes com 18 minutos, "2112" e "Hemispheres" do Rush com 20 e 18 minutos, respectivamente. "A Change Of Seasons", com 23 minutos e "Six Degrees of Inner Turbulence", com 42 minutos (dividida em 8 sessões, também chamados "Atos"), "Octavarium", com 23 minutos, todas do Dream Theater e "Supper’s Ready" dos Genesis com 23 minutos, além do álbum de uma só música, do Jethro Tull, "Thick As A Brick", "Eruption" do grupo holandês Focus com 23 minutos e Emerson, Lake & Palmer, com as peças "Tarkus" e "Karn Evil 9". No Brasil temos "1974" do e "Amanhecer Total" do Terço com 13 minutos e 19 minutos respectivamente, "Eyes of time" do Arion com 14 minutos, "Luares" do Palma com 15 minutos e "Hey Joe" dos Mutantes com 12 minutos.
Mais recentemente encontram-se exemplos extremos: "Light of Day, Day of Darkness" do Green Carnation com 60 minutos e "Garden of Dreams" do The Flower Kings com 64 minutos, embora dividido em 18 secções.

- Letras que abordam temas como ficção científica, fantasia, religião, guerra, amor, loucura e história. No começo dos anos 70 muitas bandas progressivas (principalmente alemãs) usavam letras de cunho político esquerdista. No entanto, o fator "letras" não pode ser utilizado para definir o rock progressivo. Muitas das grandes músicas no rock progressivo são instrumentais.

- Álbuns conceituais, nos quais o tema ou história é explorado ao longo de todo o álbum, tornando-se um conceitual do estilo ópera rock se seguir uma história. Na época dos discos de vinil, normalmente eram usados álbuns duplos com capas com gráficos bastante sugestivos e muito completas. Exemplos famosos disso incluem: The Lamb Lies Down On Broadway do Genesis, 2112 e Hemispheres do Rush, Tales From Topographic Oceans do Yes, Dark Side Of The Moon e The Wall do Pink Floyd, e mais recentemente Metropolis Pt.2; Scenes From a Memory e Six Degrees Of Inner Turbulence, ambos do Dream Theater, Bigorna da banda Cartoon ou Snow do Spock's Beard.

Continua...